Esporte

A ‘carreira’ de Sylvinho | Marca


Era em 6 de maio de 2009. Stamford Bridge. Correm os 92 minutos da partida entre Barcelona e Chelsea pelas semifinais da Liga dos Campeões. A equipa do Barça foi eliminada, mas depois Andrés Iniesta apareceu para marcar o empate 1-1 que colocaria a sua equipa na final. A loucura estourou entre os torcedores do Barcelona. Todos correram para o canto onde Andrés comemorava o gol. As câmeras capturaram o rápido retorno de Guardiola ao banco. E ali mesmo apareceu Sylvinho correndo paralelo ao treinador enquanto contava a ele as mudanças que deveriam ser feitas nos poucos minutos restantes do jogo. Saiu a sequência do técnico brasileiro que já tinha por dentro. Ele sabia perfeitamente o que tinha que fazer e por isso foi avisar Pep que, aliás, não gostou nada das instruções.

A louca comemoração de Sylvinho com os albaneses ao colocar a Albânia na Euro

Como jogador, Sylvinho não era uma grande estrela. Ele treinou no Corinthians de onde deu o salto para a Europa. Esteve no Arsenal antes de vir para a Espanha, onde jogou pelo Celta e depois pelo Barcelona, ​​time no qual completou cinco temporadas e conquistou duas Copas da Europa. Ele encerraria sua carreira um ano depois no City.

Ótimos professores

Ele teve a oportunidade de trabalhar com alguns dos melhores treinadores. No Arsenal ele estava sob as ordens de Arsene wenger; No Barcelona ele teve Frank Rijkaard, de Pep Guardiola; em Celta Lotina, Vctor Fernndez e Antic; enquanto no Manchester City seu treinador era Roberto Mancini. Um luxo de professores para a sua carreira de treinador, como ele próprio reconheceu. Coincidiria com o treinador italiano em seu início como treinador, sendo seu adjunto no Inter de Milão. Foi também para Tite no Brasil.

MIGUEL RUIZ

Como primeiro treinador, não teve sorte na sua equipa principal. Ele foi demitido de Olímpico de Lyon três meses depois de sentar no banco. Foi técnico do Corinthians por um ano e meio e classificou o time para a Copa Libertadores. Mais tarde, ele se tornou o treinador do Albans. Seu desafio era enorme: classificar o time para a Eurocopa de 2024. E ele conseguiu.

Diálogo e ambicioso

Sylvinho é um grande estudante de futebol. Sempre teve e teve a sorte de conhecer muitas Ligas diferentes que o enriqueceram pelo seu trabalho. Mas, além de seu conhecimento de futebol, Sylvinho é um excelente gestor de grupo como está demonstrando com a seleção albanesa. É uma pessoa muito comunicativa e que conquistou o vestiário. Ele fala quatro idiomas e isso significa que consegue se comunicar bem com todos os jogadores.

LAPRESSE

Aceitou o cargo de treinador da Albânia ao ver o potencial que a seleção tinha com jogadores que atuam nas principais ligas europeias. E o resultado está aí. Mas Sylvinho é ambicioso e não se acomoda. Há algumas semanas ficou muito claro numa entrevista ao MARCA: “É bom ir à Eurocopa, mas queremos cada vez mais”.





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo