Notícias

A verdade sobre o enxaguatório bucal: o guia de nossos especialistas sobre se VOCÊ deve usá-lo depois que um estudo encontrou uma ligação com o câncer


Um enxaguante bucal faz parte da rotina odontológica diária de muitas pessoas.

Mas embora cerca de um quarto da população do Reino Unido use enxaguatório bucal, há evidências crescentes que sugerem que ele pode fazer mais mal do que bem: um novo estudo levou a alegações de que enxaguatório bucal anti-séptico pode aumentar o risco de problemas esofágicos e intestinais nos usuários. Câncerenquanto outras pesquisas recentes relacionaram seu uso à hipertensão e ao tipo 2 diabetescom suas propriedades de matar bactérias – razão pela qual as pessoas o usam – considerada a culpada.

O último estudo, realizado pelo Instituto de Medicina Tropical de Antuérpia, Bélgica, mostrou que o uso diário de enxaguatório bucal Listerine Cool Mint durante três meses aumentou o número de duas espécies de bactérias – Fusobacterium nucleatum e Streptococcus anginosus – que têm sido associadas a doenças gengivais como bem como câncer de esôfago e cólon.

Acredita-se que o álcool no enxaguatório bucal pode ser o culpado, alterando o delicado equilíbrio do microbioma da boca e eliminando algumas bactérias “boas” e permitindo que essas bactérias “ruins” proliferem.

A verdade sobre o enxaguatório bucal: o guia de nossos especialistas sobre se VOCÊ deve usá-lo depois que um estudo encontrou uma ligação com o câncer

Cientistas do Instituto de Medicina Tropical de Antuérpia, Bélgica, descobriram que duas espécies de bactérias eram mais prevalentes após três meses de uso diário de enxaguatório bucal (imagem de banco de imagens)

VOCÊ DEVE USAR ENXAGUANTE BUCAL? O VERDITO DO ESPECIALISTA

Quer saber seu risco? Use nosso guia especializado para ajudá-lo a decidir se deve continuar usando enxaguatório bucal…

Para prevenir doenças gengivais, caso você não as tenha?

NÃO: 'Não faz sentido arriscar usar um enxaguatório bucal para prevenção de doenças gengivais, dados os potenciais efeitos negativos sobre a pressão arterial e outras condições de saúde', diz a Dra. Zoe Brookes, professora associada de educação e pesquisa odontológica na Universidade de Plymouth.

“Até que mais pesquisas sejam feitas, as pessoas com boa saúde bucal devem simplesmente escovar os dentes duas vezes ao dia durante dois minutos com um creme dental com flúor e limpar interdentalmente com fio dental”, acrescenta ela.

Para tratar doenças gengivais?

SIM, mas apenas a curto prazo: 'Enxaguantes bucais anti-sépticos podem ajudar a reduzir a inflamação que causa doenças gengivais', diz Khaled Kasem, ortodontista-chefe da Impress Clinic em Leeds. 'Mas use apenas como tratamento por no máximo cinco dias – nunca como produto de uso diário.'

Se atormentado por cáries?

SIM: Mas escolha um enxaguatório bucal com flúor em vez de um antisséptico bucal para ajudar a prevenir a cárie dentária – 'e espere uma hora após a escovação para usá-lo, ou você eliminará os níveis muito mais altos de flúor em seu creme dental (1.350-1.500 ppm de flúor numa boa pasta de dentes, em comparação com apenas 220 ppm na maioria dos colutórios com flúor)', diz Sahil Patel, dentista e fundador da Marylebone Smile em Londres.

Para mau hálito?

NÃO: 'A causa mais comum do mau hálito é a má higiene dental, que permite que restos de comida apodreçam entre os dentes e produzam compostos de enxofre voláteis e fedorentos', diz o Dr. Brookes. 'O enxaguatório bucal só irá mascarar isso temporariamente – apenas a escovação mecânica e o uso do fio dental irão realmente resolver o problema.'

Embora o estudo tenha analisado apenas um produto, o professor Chris Kenyon, um dos cientistas envolvidos, sugeriu que outros enxaguatórios bucais à base de álcool teriam um efeito semelhante.

Ele disse: 'A maioria das pessoas não deveria usá-lo (enxaguante bucal) e, se o fizerem, deveriam usar preparações sem álcool e limitar o uso a alguns dias.'

No entanto, a Dra. Zoe Brookes, professora associada de educação e pesquisa odontológica na Universidade de Plymouth, recomenda cautela ao interpretar o novo estudo.

“Temos que ter cuidado para não sensacionalizar demais as descobertas de um estudo que apenas mediu as quantidades de certas bactérias na boca depois de usar um enxaguatório bucal Listerine – e não as taxas reais de câncer.

“Sim, existem algumas ligações entre Fusobacterium e cancro do cólon, mas grandes revisões de todos os estudos existentes não mostraram uma ligação forte entre o uso de enxaguatório bucal com álcool e o desenvolvimento de cancros orais. A imagem não é clara.

Então, qual é a verdade sobre enxaguatório bucal – e deveria você estar usando?

É bem sabido que o uso de antibióticos pode perturbar o microbioma intestinal – a comunidade de micróbios, incluindo bactérias, que desempenham um papel importante nos nossos sistemas digestivo e imunitário – ao eliminar tanto as bactérias “boas” como as “más”.

Agora a atenção está voltada para o oral microbioma – os diversos micróbios em nossas bocas – e especificamente, como o uso de enxaguatório bucal pode eliminar algumas das bactérias “boas” que ajudam a proteger nossos corpos contra doenças como doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e até câncer.

“Sua boca está cheia de centenas de espécies de bactérias e, embora algumas causem placas e cáries, outras são na verdade muito boas para a saúde e responsáveis ​​por processos bastante complexos no corpo”, diz o Dr. Brookes.

“Por exemplo, existem bactérias que vivem na língua e que convertem ‘nitratos’ dos alimentos que comemos em ‘nitritos’”, explica o Dr. Brookes, que liderou um estudo em 2020 sobre os efeitos do enxaguatório bucal no microbioma oral.

Os nitritos são então transformados em óxido nítrico no intestino – o óxido nítrico diz efetivamente aos nossos vasos sanguíneos para relaxarem, mantendo a nossa pressão arterial agradável e baixa.

'Vários estudos descobriram agora que o uso de enxaguantes bucais – especialmente marcas que contêm o anti-séptico clorexidina – pode levar a um aumento da pressão arterial, especialmente em pessoas que já apresentam níveis elevados.'

Por exemplo, em 2019, investigadores da Universidade de Porto Rico descobriram que as pessoas que usavam enxaguatório bucal duas vezes por dia ou mais tinham um risco maior de ter pressão arterial elevada em comparação com utilizadores menos frequentes.

E um estudo anterior, em 2017, realizado pelo mesmo grupo de pesquisa sediado em Porto Rico, descobriu que pessoas com excesso de peso que usavam enxaguantes bucais vendidos sem receita médica pelo menos duas vezes ao dia tinham um risco 50% maior de desenvolver diabetes tipo 2 em um período de três dias. período do ano em comparação com não usuários.

Os pesquisadores atribuem isso ao fato de que matar essas bactérias-chave na boca reduz a capacidade do corpo de produzir ácido nítrico, um composto natural que desempenha um papel na regulação da insulina – o hormônio que mantém os níveis de açúcar no sangue estáveis. Portanto, a destruição desta bactéria benéfica pode levar a picos instáveis ​​de açúcar no sangue e estimular o desenvolvimento de diabetes.

E esse não é o único efeito colateral potencialmente prejudicial do enxaguatório bucal.

Um estudo de 2020 publicado no Journal of Intensive Care Medicine descobriu que enxaguatório bucal anti-séptico usado por pacientes que foram hospitalizados pode aumentar o risco de morte por sepse – esta é uma condição com risco de vida que ocorre quando o sistema imunológico do corpo reage exageradamente a uma infecção, levando à falência de órgãos que pode ser fatal.

Os cientistas não têm certeza do que está por trás do aumento do risco, mas sugerem que matar as bactérias orais responsáveis ​​pela produção de ácido nítrico impede que o corpo seja capaz de absorver uma quantidade suficiente deste composto, que desempenha um papel fundamental na circulação saudável – e sabemos que a circulação é um dos sistemas do corpo que desliga na sepse.

Mas tudo isso deve ser avaliado em relação aos benefícios do enxaguatório bucal.

Zoe Brookes, professora associada de educação e pesquisa odontológica na Universidade de Plymouth, pede cautela ao interpretar o novo estudo

Zoe Brookes, professora associada de educação e pesquisa odontológica na Universidade de Plymouth, pede cautela ao interpretar o novo estudo

Usar o enxaguatório bucal Listerine Cool Mint todos os dias pode aumentar o nível de duas bactérias anteriormente ligadas ao câncer de esôfago e colorretal, descobriu o estudo

Usar o enxaguatório bucal Listerine Cool Mint todos os dias pode aumentar o nível de duas bactérias anteriormente ligadas ao câncer de esôfago e colorretal, descobriu o estudo

“É claro que também há boas evidências de que quando os pacientes usam enxaguatórios bucais contendo o anti-séptico clorexidina (juntamente com a escovação dos dentes), eles reduzem a placa bacteriana que causa cáries e doenças gengivais precoces”, diz o Dr. Brookes.

“Mas é uma faca de dois gumes, porque a clorexidina é tão poderosa que mata muitas espécies diferentes de bactérias – incluindo as boas.

“E ao desequilibrar o nosso microbioma oral desta forma, podemos afectar indirectamente não só a saúde do nosso coração, mas talvez aumentar o risco de sucumbir a outros problemas, como a sépsis, e também contribuir para o problema mais amplo da resistência aos antibióticos”.

Então, devemos abandonar o enxaguatório bucal? “Não necessariamente”, diz o Dr. Brookes.

“Há preocupação, mas, por outro lado, também temos uma enorme quantidade de evidências crescentes de que a própria doença gengival está associada à diabetes não controlada e às doenças cardiovasculares, por isso manter os nossos dentes e gengivas saudáveis ​​é mais importante do que nunca – especialmente quando tantas pessoas não consigo consultar um dentista do NHS.

Ela acrescenta: “Quanto ao estudo mais recente que liga enxaguantes bucais contendo álcool a bactérias bucais causadoras de câncer, se as pessoas estiverem preocupadas, há muitos enxaguantes bucais semelhantes sem álcool disponíveis que podem ser usados.

'Como dentista, meu conselho é diferente para cada paciente, questionando sempre se os benefícios do uso de enxaguatório bucal superam quaisquer riscos pessoais para eles.'

Numa declaração ao MailOnline, a Kenvue, que fabrica o Listerine, disse: “Avaliamos continuamente as últimas novidades científicas. Não há evidências de que Listerine cause câncer.

O QUE HÁ NO SEU COLUTÓRIO?

Informações sobre ingredientes antibacterianos

ÁLCOOL

Às vezes, isso é adicionado aos enxaguatórios bucais, pois funciona como um anti-séptico, mas pode eliminar bactérias boas e más.

Estudos anteriores associaram enxaguatórios bucais contendo álcool a um risco aumentado de câncer de boca, mas uma revisão de 2020 da Universidade de Barcelona descobriu que isso acontecia apenas se aqueles que os usavam também fossem fumantes, porque o álcool torna as paredes celulares da boca mais permeáveis ​​aos carcinógenos da fumaça do cigarro.

E embora este último estudo do Instituto de Medicina Tropical da Bélgica tenha descoberto que o uso diário de enxaguatório bucal contendo álcool aumentou o número de cepas de bactérias ligadas ao câncer, de acordo com a Dra. Zoe Brookes, professora associada de educação e pesquisa odontológica na Universidade de Plymouth, “a meta-análise de um grande número de estudos não demonstrou consistentemente uma ligação entre enxaguatório bucal contendo álcool e câncer oral”.

CLOREXIDINA

Um antimicrobiano encontrado em enxaguatórios bucais de alta potência para pessoas com doenças gengivais, é altamente eficaz na eliminação de bactérias que causam doenças gengivais.

Mas pesquisas recentes associam isso à destruição das bactérias “boas” que ajudam a prevenir doenças cardíacas e outros problemas de saúde. Também pode manchar os dentes se usado por mais de alguns dias.

CLORETO DE CETILPIRIDÍNIO

Outro anti-séptico que reduz as bactérias orais, diminuindo o risco de desenvolver doenças gengivais e cáries dentárias, mas potencialmente também perturbando o importante microbioma oral (a colónia de micróbios na boca).

CLORETO DE ZINCO

Um antibacteriano mais fraco do que a clorexidina ou o cloreto de cetilpiridínio, mas ainda pode matar bactérias boas na boca.

FLUORETO

Um mineral adicionado à pasta de dente e a muitos enxaguatórios bucais e que fortalece o esmalte dos dentes e combate as cáries.

A boa notícia é que estudos sobre o uso de flúor mostram que ele causa pouca ou nenhuma alteração no microbioma oral.

ÓLEOS ESSENCIAIS

Óleos vegetais como eucalipto, tomilho e mentol são agora comumente usados ​​em enxaguatórios bucais – um estudo de 2015, realizado pela Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, descobriu que eles eram agentes antiplaca tão eficazes quanto a clorexidina.

No entanto, este resultado significa que o uso regular também pode perturbar o seu microbioma oral, matando as bactérias boas com as ruins.



Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo