Esporte

Alerta para o pico de nascimentos de águas-vivas 'ovo frito' no Mar Menor


Eeu Mar Menor registou um aumento notável no número de nascimentos de medusa Cotylorhiza tuberculata, conhecido como ‘ovo frito’ devido à sua aparência. De acordo com um relatório de Serviço de Pesca e Aquicultura do Governo de Múrcianumerosas éfiras, águas-vivas jovens, desta espécie foram detectadas após as chuvas recentes, com exemplares entre 8 e 10 centímetros e outros de 2 a 4 centímetros.

Estas águas-vivas, que atingem a sua maior densidade em julho e agostonão são pungentes, o que significa que não representam uma perigo para banhistas. Além disso, outras águas-vivas como Rhizostoma pulmo e Phyllorhiza punctata foram identificadas, embora em menor quantidade.

Um fenômeno que se repete

A presença destas águas-vivas não é um fenómeno novo no Mar Menor, mas intensificou-se nos últimos anos. Em 2021foi observada uma recuperação de suas populações, que se manteve em 2022 e continuou em 2023 e 2024. A situação preocupa as autoridades devido aos baixos níveis de zooplâncton, que podem retardar o crescimento da população de águas-vivas.

Alerta para o pico de nascimentos de águas-vivas 'ovo frito' no Mar Menor

O água-viva 'ovo frito' É facilmente reconhecível pela sua forma e cor e, embora a sua presença seja um indicador de certas alterações no ecossistema, nem todas estas alterações são negativas. As medusa Alimentam-se de pequenos organismos marinhos e a sua proliferação pode estar relacionada com a sua abundância. Contudo, os baixos níveis de zooplâncton observados este ano sugerem que a situação poderá tornar-se insustentável se não forem tomadas medidas adequadas.

Preocupação entre banhistas

O aumento da população de medusas também pode ter implicações económicas, especialmente para a indústria do turismo na região. Os turistas podem sentir-se desencorajados de visitar as praias se a presença de águas-vivas se tornar demasiado perceptível, mesmo que não sejam perigosas. Portanto, é crucial que as autoridades monitorizem de perto a situação e trabalhem em estratégias para manter o equilíbrio ecológico do Mar Menor.





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo