Entretenimento

Beverly Hills Cop: Crítica de Axel F


Resumo

  • Axel Foley retorna em uma sequência nostálgica, mostrando a atuação enérgica e perspicaz de Eddie Murphy.
  • A história carece de originalidade e profundidade, dependendo muito da nostalgia e da improvisação de Murphy.
  • Apesar do enredo fraco, o filme oferece cenas de ação divertidas e uma subtrama significativa entre pai e filha.

Axel Foley — o policial brincalhão, falante e pouco sério que sempre se mete em problemas, mas faz o trabalho — está de volta à ação. Assim como o policial de Miami Meninos maus, Beverly Hills Cop: Axel F vê Axel (Eddie Murphy) de volta ao seu trabalho de 40 anos, trazendo sua esperteza de rua para as estradas imaculadas, chiques e recém-pavimentadas de 90210.

Trinta anos desde sua última aparição cinematográfica, Axel ainda está com seus velhos truques. O policial sempre jovial, hiperfocado e espirituoso de Detroit ainda está rolando por aí prendendo bandidos e gangues como se não tivesse 60 anos. Ele se meteu em problemas novamente, mas isso não o impede de continuar com o que acredita. Embora pareça que nada o tirará de Detroit, isso muda quando ele ouve de seu velho amigo Billy Rosewood (Judge Reinhold) e Axel descobre que sua filha, Jane Saunders (Taylour Paige), está em perigo após acusar um policial morto de ser corrupto.

Axel Foley ainda é um dos melhores papéis de Eddie Murphy

Policiais de Beverly Hills é uma franquia interessante. É um dos principais exemplos de uma série de filmes com retornos decrescentes, mas tem uma base de fãs relativamente leal. Axel F sugere que vale a pena revisitar. Will Smith e Martin Lawrence's Bad Boys: Cavalgue ou Morra provou que ainda há uma fome por esse tipo de filme de ação. Não importa o quão ruins os filmes tenham sido depois de 1984 Um Tira de Beverly HillsMurphy tem sido um atrativo inegável. Em Axel F, o ator é limitado pela idade até certo ponto, mas ele continua tão enérgico e perspicaz como sempre.

Infelizmente, ele carrega um roteiro muito medíocre. A história é tão genérica quanto possível; os vilões são estereotipados e as piadas são mornas. Mas a ação é divertida e a música está no ponto. Murphy é um ingrediente-chave — ele eleva a coisa toda, e sua improvisação faz um trabalho pesado. Felizmente, as pessoas ao seu redor são homens bons e honestos como Joseph Gordon-Levitt, que podem igualar sua energia, ou caras que oferecem reações divertidas, como Kevin Bacon e Josh Ashton.

O roteiro de Will Beall, Tom Gormican e Kevin Etten é motivado principalmente pela nostalgia, assim como a ação. A história tem Foley se reunindo com a cidade e as pessoas de seu passado colorido; enquanto isso, ele está se reconciliando com sua filha afastada, que agora mora em Beverly Hills, e vê Rosewood e Taggart como tios. No que diz respeito a viagens nostálgicas, esta é divertida. Às vezes é significativa e vazia.

Beverly Hills Cop: A história de Axel F precisa de trabalho

Felizmente, todo o resto se resolve

As peças de ação parecem caras e são a cola resistente que mantém o filme unido. Teria sido ideal se as piadas e situações tivessem um humor mais ambicioso, mas o que temos é o suficiente para uma risada leve. A trilha sonora de Lorne Balfe é a maior vitória ao lado de Murphy, já que a música baseada em sintetizador é misturada lindamente com seleções contemporâneas. A produção geral ajuda a tornar este um relógio divertido.

Ainda assim, os problemas gritantes vêm da história constantemente nos lembrando que Axel é uma ameaça (mas uma boa) enquanto repete velhas dinâmicas e reitera que o caos segue Foley sempre que ele está em um caso. Não há nada de novo para investir, exceto pelo relacionamento pai-filha. Paige e o sempre charmoso Gordon-Levitt flanqueiam Murphy, e apesar de seu carisma natural, eles não recebem o suficiente para trabalhar. A subtrama pai-filha é talvez o enredo mais pesado, e pelo menos é bem executada. Paige e Murphy têm ótima química e brincadeiras.

Por tão pouco que o caso real nos dá e quão óbvio o enredo acaba sendo, ganhamos uma compreensão mais forte de como Foley opera como pai e como suas inclinações naturais se manifestam em Jane. O diretor Mark Molloy depende muito da improvisação de Murphy, mas sem uma estrutura sólida para Murphy trabalhar, a ilha em que ele está se torna muito aparente. Felizmente, nostalgia, uma década de material e Murphy são o suficiente para montar um filme divertido que mascara suas muitas deficiências.

Murphy é limitado pela idade até certo ponto, mas continua tão enérgico e perspicaz como sempre.

Gostaria que houvesse mais tempo gasto com Jane e Foley trabalhando juntos. Idealmente, Rosewood teria tido mais tempo de tela, já que o trio trabalhando junto parece muito mais divertido do que o que temos com Bobby de Gordon-Levitt. A presença de Bobby vê o filme tentando atender a um público mais jovem, já que Rosewood poderia facilmente ter escorregado para essa posição (menos o ângulo romântico com Jane). Eu poderia continuar falando sobre o deveria, teria, poderia ter Beverly Hills Cop: Axel Fmas vou me contentar em dizer que pelo menos é divertido — e isso é o suficiente.

O retorno de Axel satisfará os fãs da franquia e pode encorajar aqueles que estão apenas começando a assistir à trilogia original, nem que seja para assistir a um dos papéis mais significativos de Murphy nos anos 80, uma verdadeira era de ouro para o artista multifacetado.

Beverly Hills Cop: Axel F está disponível na Netflix na quarta-feira, 3 de julho.

Beverly Hills Cop: Axel F

Beverly Hills Cop: Axel Foley é o quarto filme da popular franquia de comédia estrelada por Eddie Murphy. Murphy retorna como Axel Foley no filme da Netflix ao lado dos membros do elenco que retornam, Judge Reinhold e John Ashton, e Bronson Pinchot como Serge. Kevin Bacon e Joseph Gordon-Levitt também estrelam a sequência como novos personagens.

Prós

  • Eddie Murphy continua engraçado e ótimo em um de seus papéis mais marcantes
  • A relação pai-filha acrescenta uma nova dimensão a Axel Foley
Contras

  • A história é a parte mais fraca do filme
  • Os personagens secundários não têm muito o que fazer



Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo