Notícias

Crítica do zelador: Harrold Pinter em sua forma mais sinistra, escreve PATRICK MARMION


O zelador (Teatro Minerva, Chichester)

Veredicto: Morbidamente fascinante

Avaliação:

O golpe de dedo Guerra das Estrelas O descontente Imperador Palpatine passou por tempos difíceis em Chichester. Tempos muito difíceis. Assumindo a forma humana enrugada e enrugada do ator Ian McDiarmid, ele se tornou um vagabundo arrogante no sinistro drama de três homens de Harold Pinter de 1960, The Caretaker.

A peça se passa em um sótão purulento na Chiswick High Road da era pós-guerra – muito antes BBC figurões se mudaram para afixar o código postal. McDiarmid é um dossador ligeiramente mentiroso, Davies, que é acolhido por Aston, um recluso ratinho com uma trágica história de transtorno psiquiátrico. A amizade incômoda deles é interrompida pelo espirituoso irmão de Aston, Mick, que critica a presença de Davies.

A produção mórbida e fascinante de Justin Audibert abre um alçapão para um universo perdido do pós-guerra e não se esforça para encobri-lo. O racismo violento do período permanece intacto, juntamente com a ameaça lendária de Pinter, enquanto Mick e Davies disputam o controle do sótão úmido e cheio de pulgas, ameaçando-se mutuamente com provérbios e inconsequências.

Crítica do zelador: Harrold Pinter em sua forma mais sinistra, escreve PATRICK MARMION

Ian McDiarmid como Davies na produção teatral de The Caretaker no Chichester Festival Theatre

O diálogo é notoriamente bizarro e inescrutável, com falas de Davies como “Estou com muita necessidade de um bom par de sapatos”, ou minha enigmática favorita, “os bastardos do mosteiro me decepcionaram de novo”. E, no entanto, subjacente a tudo isto está um sentimento de pânico e desespero – dos quais o racismo é um sintoma.

É isso que McDiarmid interpreta como o velho maltrapilho que é nervoso, irritadiço, carente, ranzinza e manipulador. Suas roupas imundas e sua pele rosada até parecem estar descascando como o papel de parede da meia mofada de um quarto que é o cenário de Stephen Brimson Lewis – equipado com duas camas enferrujadas e qualquer quantidade de lixo como um velho ferro-velho.

Contando a história de Aston sobre ser forçado a receber tratamento eletroconvulsivo no hospital, Adam Gillen garante que a peça também é comovente (o que é incomum para Pinter). Mas onde seu desempenho é triste, terno e vulnerável, Jack Riddiford, como seu irmão Mick, faz estranhas ameaças de violência, calçando luvas de couro como se estivesse prestes a estrangular alguém.

Adam Gillen como Aston na produção teatral de The Caretaker no Chichester Festival Theatre

Adam Gillen como Aston na produção teatral de The Caretaker no Chichester Festival Theatre

Enquanto isso, o design de som de Ed Clarke adiciona rangidos ameaçadores e gorgolejos de encanamento – junto com o baque ocasional de uma gota em um balde suspenso no teto. A música de fundo do violoncelo é agradavelmente atmosférica, mas também um toque sentimental e, portanto, muito pouco pinteresca. Não devemos tanto gostar de Pinter, mas sim ficar nervosos com ele.

■ Provavelmente deveríamos estar gratos pelo facto de a Corte Real estar finalmente a encenar uma peça em que o escritor demonstra alguma aptidão para a linguagem.

Mas quando os prêmios forem distribuídos para a jogada mais estranha do ano, The Bounds – sobre uma partida de proto-futebol em Tudor Northumberland – provavelmente liderará o grupo. O título do trabalho de Stewart Pringle refere-se aos limites em torno de Allendale e Catton: duas aldeias travando uma batalha pela bexiga de um porco inflada. Dois camponeses ignorantes assistem à 'partida' e comentam em um obsceno e histórico bacalhau da Nortúmbria, como um episódio incomumente perturbado de 606 da Radio Five com Chris Sutton e Robbie Savage.

A grande ideia é que os espectadores representem os atuais constituintes do muro vermelho, abandonado por Westminster (ou, antigamente, pela Corte Tudor em Londres).

Como polémica, necessita de um desenvolvimento mais dramático.

Em vez disso, Pringle recorre a brigas relacionadas ao futebol. Ryan Nolan se diverte (até certo ponto) como o torcedor de Allendale que amaldiçoa e pensa que as pessoas de Catton são 'violinistas de bruxas'. Lauren Waine, como sua amiga desdenhosa, ainda está furiosa por ter sido submetida a tortura misógina imposta religiosamente. Um católico elegante em fuga (Soroosh Lavasani) tenta orientá-los sobre política e astronomia. E o autor então acrescenta uma mensagem hobbesiana sobre como a existência humana é desagradável, brutal e curta.

Caso contrário, encenada num monte baixo como Waiting For Godot, a produção de Jack McNamara é um apocalipse muito peculiar, sem nenhum jogo final específico.

The Caretaker (cft.org.uk) e The Bounds (royalcourttheatre.com) vão até 13 de julho.

Um carnaval tedioso de confusão

A Megera Domada (Shakespeare's Globe, Londres)

Veredicto: Ainda problemático, por Veronica Lee

Avaliação:

O que fazer com a “peça-problema” de Shakespeare, que inclui, diz o programa, “misoginia e controle coercitivo” enquanto Petruchio corteja Katharina?

Bem, se você é o diretor Jude Christian, você o transforma em um “carnaval absurdo” de ideias dominado pela ampla comédia de sua peça dentro de uma peça, e torna a dupla quase periférica à ação – aumentando assim a confusão de uma peça. trabalho atolado em contradições.

Ele vem completo com bonecos e personagens absurdos em fantasias infantis e maquiagem de palhaço. Há músicas ocasionais também – embora nenhuma corresponda ao padrão de Kiss Me Kate, a reimaginação musical menos controversa de Cole Porter agora no Barbican (descrito por Patrick Marmion como 'estalar os lábios'). Talvez fosse para lá que os primeiros que partiram estavam indo…

A história diz respeito a Lucentio (Yasmin Taheri), que quer se casar com a santa Bianca (Sophie Mercell). Infelizmente, seu pai não permitirá isso até que sua irmã mais velha, Katharina (Thalissa Teixeira, à direita) esteja noiva. Mas quem iria querer se casar com um 'repreendido' – ou 'aw ***er', como diz uma das mudanças abrasivas do roteiro? Entra em cena o malvado Petruchio (Andrew Leung) para tentar a sorte.

No design de Rosie Elnile, o palco é dominado por um brinquedo fofinho gigante com corações no lugar dos olhos e uma enorme fenda na barriga.

Porém, não há nada de fofinho nos relacionamentos, que são mais sobre contratos e dotes, e as cenas entre Petruchio e Katharina, cheias de justas verbais na página, carecem de brilho.

O discurso final de Katharina – mais sobre submissão do que sobre amor – é lindamente proferido, mesmo que não saudemos sua jornada. Mas o tédio já havia se instalado, e quando um personagem perguntou anteriormente: 'Há muito mais disso?', Suspirei em concordância.

Até 26 de outubro (shakespeareglobe.com).



Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo