Esporte

Roland Garros 2024: Rafa Nadal se despede de Paris diante de um imenso Zverev competindo como uma lenda


Rafael Nadal despediu-se de Roland Garros esta segunda-feira depois de se ajoelhar antes Alexander Zverev, 6-3, 7-6(5) e 6-3, em 3 horas e 5 minutos. Só você e seu corpo sabem se é uma despedida definitiva. Todas as condições fizeram com que parecesse assim.

Rafa fez o que tinha que fazer para chegar nas melhores condições possíveis mas não venceu um tenista superior e que terá o mesmo perfil de jogador que será encontrado futuramente em torneios devido à sua classificação atual (275). A elite está entre as 32 primeiras posições. O que quer que signifique sair dessa classificação é sofrer desde o primeiro dia.

Zverev, um imenso carrasco, mal consegue o terceiro tenista capaz de derrotá-lo na sede do Bois de Boulogne, depois de Robin Sderling e Novak Djokovic. Apenas outras duas vezes o espanhol sofreu golos na estreia num torneio importante.

Nadal venceu o sorteio e optou por sacar. O primeiro ponto da partida, após longa troca, terminou com um chute direto para a rede do espanhol. Ele foi apoiado pelas 15.000 pessoas que lotaram o Philippe Chatrier.

Já se foi o tempo em que eles foram contra ele. Foi de 2005 a 2008. Quando Roger Federer, o favorito do público, ergueu a Copa dos Mosqueteiros em 2009, tudo mudou.

Marc Mauryo orador histórico do torneio, Ele havia perdido a voz ao contar todas as façanhas do manacor em solo parisiense e nos grandes palcos da raquete..

Apotesica presentacin de Nadal en Roland Garros

Zverev venceu o primeiro jogo em branco. Rafa viu todas as suas deficiências em apenas três minutos. Falta de mobilidade nos movimentos laterais e claudicação no saque com dupla falta inoportuna.

Os elementos não favoreceram em nada o espanhol. O solo estava pesado por conta da chuva que obrigou o duelo a ser disputado em ambiente fechado. Sascha, convocado para ser campeão do ‘Grand Slam’, ainda está com a vitrine vazia aos 27 anos. Sua fragilidade mental é um fato, apesar de possuir 22 títulos, incluindo o ouro olímpico nos Jogos de Tóquio.

Aos oito minutos, o placar estava 2 a 0. O alemão fez um segundo jogo em que ficou 0-30. Rafa procurava desesperadamente sensações e não conseguia encontrá-las com o backhand, muito esgotado desde a operação no quadril. Ele precisava abrir seu armário. Aos 13 minutos, ele alcançou seu objetivo. As arquibancadas enlouqueceram. Eu estava com ele.

O camarote do 22º campeão principal estava lotado como se fosse uma final e com as mesmas pessoas que o acompanharam nas 14 finais do Internacional Francês. Seu pai, Sebasti, dividia a briga com seus três irmãos. Miquel Ngel, Rafael e Toni, o mentor do Rafa e aquele que o levou a provar o mel do sucesso. Estavam também presentes sua mãe Ana María, sua irmã Maribel e sua esposa Mery Perell.

Novak Djokovic, o maior rival que o espanhol já teve nas quadras de tênis e também no Aberto da França, e Carlos Alcaraz não quis perder.

Zverev poderia atingir mais de 200 quilômetros por hora com pouco esforço. Mas começou a falhar. De repente, Nadal fez 15-40 para igualar dois. Ele não o converteu porque seu adversário o contra-atacou com mísseis.

O espanhol havia vencido todo mundo nos treinos, mas há algum tempo não joga como treina. Na oitava rodada, como vem fazendo ao longo da carreira, o rei do país trocou de raquete.

Sacha teve a primeira opção para definir o resto. Ele acertou um forehand na rede. O segundo saiu com um ponto de saque lendário. Um forehand que morreu na rede deu o primeiro rendimento ao tenista de Hamburgo.

Nadal não gerou vencedores (5) e sofreu com os tiros que vieram do outro lado da rede.

A última partida do Baleares em melhor de cinco sets foi em 18 de janeiro de 2023, com Mackenzie McDonald, no Aberto da Austrália. E ele acabou ferido. O tempo também esteve do lado de Zverev.

O alemão conseguiu assinar a decisão a seu favor, 15-40 com 2-1 a vencer no segundo set. Ele falhou e pagou porque num piscar de olhos foi o Rafa quem tirou o serviço dele. Foi a primeira vez que estiveram à frente no resultado: 2-3. Ele manterá essa renda até 4-5. Quando serviu para assinar as mesas ele se encolheu e recebeu uma lágrima em branco.

Sascha é uma montanha-russa. Ele desistiu de 15-40 imediatamente depois, mas isso resultaria em morte súbita. Há dois anos, nessa mesma situação, quebrou o tornozelo. Super seus fantasmas e todos com renda de dois a zero.

Apenas em quatro ocasiões Nadal superou um placar tão adverso.. Em nenhum deles ele estava a 7 dias de completar 38 anos. A última delas havia sido na final do Aberto da Austrália de 2022 com Daniil Medvedev. O milagre de Melbourne não se repetiu em Paris.

A atmosfera era Copa Davisda lembrada e saudosa época em que havia anfitriões e visitantes na máxima competição por países.

Houve uma batalha psicológica quando eles tiveram que se cruzar na rede a caminho do trocador. Rafa gosta de ser o último a passar e seu adversário sabia disso e esperou até que o outro se movesse.

Ao se perder em Deus com Alex de Miaur deixou uma declaração de intenções: “Hoje não foi o dia em que ele teve que deixar tudo e morrer. Em Paris, deixe ser o que Deus quiser. Lá espero ser competitivo e há tempo“.

Nadal era competitivo e morreu calçando as chuteiras. Ele salvou dois break points no jogo de abertura do terceiro set e depois se distanciou para 2 a 0 com um ponto de relaxamento de Zverev que poderia lhe custar caro. Ele sabia como reagir a tempo.

Rafa sofre para realizar cada um de seus jogos de serviço. Ele permaneceu vivo até o sétimo game do terceiro set. Eu não queria levantar a bandeira branca, mas ele não teve escolha antes do backhand cruzado de seu carrasco.

Última partida de Federer no 'Grand Slam' Foi nas quartas de final de Wimbledon com Hubert Hurkacz e terminou em três sets e 6 a 0 para o polonês. Todos os grandes deveriam saber como se aposentar a tempo e no topo, como Pete Sampras ou Toni Kroos.





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo