Esporte

Seleção espanhola: A diáspora albanesa e Uzuni: “Eu sabia o que era o medo”


EA águia albanesa caminha Alemanha. A Espanha estará mais uma vez em inferioridade Düsseldorf, desta vez perante uma seleção apoiada por aquela que é a terceira maior comunidade estrangeira fora da UE, na Alemanha, apenas superada por turcos e sírios. O censo de 2020 estima 317.000 pessoas, com a maioria kosovaresmas há estudos que elevam esse número para perto de meio milhão.

Em 1990, Durante a queda do regime comunista, 3.000 pessoas procuraram refúgio na embaixada alemã em Tirana. A Alemanha e a Itália seriam o destino dos refugiados políticos.

Durante anos, mais com a guerra em Kosovomilhares de albaneses deixaram o seu país, estima-se que mais de 800.000.

Há milhares de histórias por trás deles, muitas presentes hoje em dia nas arquibancadas dos estádios alemães torcendo pelo seu time. Experiências brutais de gerações que agora veem o seu país crescer e para as quais muitos regressaram ou sonham voltar.

Sylvinho mostra o peito com a Albânia: “Merecemos vencer o jogo”

O desespero dos anos 90 tocou quase todas as famílias albanesas. Também aos dos seus jogadores de futebol de elite. Como Myrto Uzunio atacante do Granada que ficou de fora da edição final do Sylvinho, mas com a bandeira do seu país tatuada na pele e no coração. Ele é um exemplo daqueles albaneses dedicados ao seu país que podem contar experiências tremendas.

“Foram três dias de caminhada, caminhada e caminhada pelas montanhas para chegar Grécia. Não éramos apenas meu pai, minha mãe e eu. Milhares de albaneses experimentaram isso. Eu sabia que se a polícia nos parasse não teria nenhuma chance na vida. Eu sabia o que era estar realmente com medo. E eu vi isso no rosto do meu pai. Estávamos apenas à espera de qualquer coisa que nos indicasse que a polícia poderia estar por perto”, recorda ele sobre a fuga da sua casa em Berat, no centro do país, até à fronteira com a Grécia.

Foram três dias de caminhada, caminhada e caminhada pelas montanhas até chegar à Grécia.

Sem nada

Sua infância nada teve a ver com o idílico. “Não foi nada fácil. Tive que emigrar com minha família de Albânia e Grécia. Naquela época as relações entre os dois países não eram boas. Notamos isso em tudo. Não pensei em jogar futebol. Eu só queria trabalhar para ajudar minha família, para que pudéssemos comer. Claro, no meu quarto sempre havia a bandeira da Albânia. Isso me deu força. Eu sabia que o que importava era o pão. E saber quem éramos. O meu pai sempre me disse que éramos albaneses, que esse era o meu sangue e que não se pode mudar isso. Como uma família”, explica ele.

A 'provocação' mais engraçada: os fãs albaneses dividiram… um pouco de espaguete em dois!

Dias de miséria, de ilegalidade, de viver da generosidade de quem só tinha um pouco mais do que eles. De uma dureza de pedra em que Murta Ele não consegue encontrar seu momento mais prejudicial. “Era tudo. Porque era não ter nada. Eu não era uma criança como as outras, com uma vida boa. Fui treinar e eles tinham roupa, conversavam sobre comida em casa, tinham botas… Eu, obrigado para meus amigos de Grécia, eu tinha roupas que eles me deram. Eles me deixaram tênis para que eu pudesse treinar. Eu não tenho botas. Ser sempre grato às pessoas que me ajudaram”, lembra.

Eu não era uma criança como as outras

Ele conta e seus olhos brilham enquanto sua memória recupera o menino que escalou os picos do terreno selvagem da Albânia em busca de um futuro. “Ainda fico arrepiado quando penso naqueles dias. Converso muito sobre isso com meu pai e ele sempre acaba chorando. mas sei que muitas pessoas no mundo fazem isso.” sofrem”.

Uzuni, artilheiro de segunda categoria: “Cheguei à Grécia depois de caminhar três dias com meu pai e sem dinheiro”

Este drama vivido por milhares de pessoas fortaleceu o vínculo com a sua terra, com o seu sangue, com o que deixaram. “Essa é a Albânia. E as pessoas em Albânia Morrem pelo hino, pela bandeira. Temos uma ótima conexão com nosso povo. Nosso lema é estar ao lado de quem não tem nada: hoje eu tenho e amanhã pode ser você. E se não, então não acontece nada, continuaremos em frente mesmo assim”, explica o jogador do Granada.

O seu bom presente não faz com que o passado se perca nas nuvens do tempo. “Conheço a história que está por trás de mim. É por isso que em cada jogo dou tudo o que tenho, porque não quero reviver essas coisas. Não quero perder tempo e me perguntar depois por que não fiz isso ou aquilo Eu valorizo ​​cada momento. E agora estou feliz de mim mesmo, por ter uma vida boa agora, que minha família, que sacrificou tudo por mim, também está bem. me um exemplo de que você pode chegar lá sem ter nada”, finaliza. Peso com seu coração albanês.





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo