Esporte

Seleccin Espaa Baloncesto: Lorenzo Brown conduce a una sensacional Espaa a Pars


Seles sempre são. É uma constante no tempo e na forma. A Espanha, a Espanha que já fala no passado quando lembra a sua geração de ouro, está nos Jogos Olímpicos de Paris 2024. Derrotou as talentosas, anárquicas e egoístas Bahamas. (86-78) num jogo de enorme basquetebol, sentido colectivo e jogo. Ancorado pelo magnífico Lorenzo Brown (18 pontos, 4 rebotes e 4 assistências), que executou quando o jogo pedia. Ele acrescentou o que a Espanha precisava e Paris agora é uma realidade.

FEVEREIRO/NEVADO

A Espanha respeitou seu estilo. A equipe. Lorenzo dirigiu e brilhou. Mas Rudy foi vital, com sua motivação e senso de jogo, para ir aos seus sextos Jogos Olímpicos. Também Santi Aldama (12 pontos), com um triplo e vários rebotes fundamentais quando as Bahamas saíram vitoriosas no último quarto. E Usman Garuba (10), que se tornou um gigante na defesa.

Foi uma final, com todas as letras. Eu saí como esse tipo de jogo é. Mesmo, nervoso e com pouco sucesso (1/6 ambas as equipas em T3 aos 10') no ataque. As Bahamas aproveitaram o talento individual e a geração de chutes rápidos de Buddy Hield, e Espanha aproveitou a inspiração de Willy e Aldama comece a adicionar. Ele também contribuiu com a força de Garuba e junto com o '7' neutralizou o primeiro momento de jogo do gigante DeAndre Ayton por baixo das placas (17-17, 10').

Lorenzo Brown lança para o Espaá

Desse início tímido tudo se transformou em uma formidável troca de golpes. O de Eric Gordon, com 2+1 e triplo de verdadeiro gênio. E a de uma Espanha, respondendo com Rudy Fernández. O capitão marcou de fora, roubou a bola e Usman Garuba repetiu a lesão sob as placas para manter o equilíbrio de uma Espanha séria (24-23, 14').

FEVEREIRO/ALBERTO NEVADO

O dos Warriors foi um tornado para os dois lados e a Espanha aumentou a aposta atrás. Tornando desconfortável cada arremesso e decisão das Bahamas, pisar no acelerador no ataque através de mais um excelente momento de Lorenzo Brown. Ele vestiu seu macacão de líder e colocou três triplos. De todas as cores (39-31, 18') para desencadear uma Espanha mais que correta.

Até a diferença era de oito ao intervalo (42-34, 20') depois de um triplo de Munnings na cobrança de escanteio quando Llull Ele havia dado uma tangerina de marca própria. Um sinal de quão perigosa é a nação caribenha. Ele mostrou isso no reinício após triplos de Gordon e Hield. Mas a Espanha convocou Brown, definindo cada momento de dificuldade (52-41, 24').

Que foram, logicamente, para as Bahamas. Ayton se tornou seu único farol, punindo o interior da Espanha por sua habilidade de cinco metros até abaixo do ringue.. Embora a equipe não tenha mudado sua forma de competir. Garuba e Rudy brigaram por cada bola, contribuíram e se o ataque fosse bloqueado, Brizuela executava por fora.

FEVEREIRO/ALBERTO NEVADO

Não interrompa permanentemente a partida. Valeu a pena para as Bahamas travar uma guerra contra cada jogador por conta própria para não se desvencilhar e Smith, no terceiro quarto, impediu a Espanha de fechar um terceiro quarto sensacional (65-56, 30'). Partida ao vivo.

Espanha fecha o passe

Bahamas é assim. Pressionando o placar apesar de não jogar bem coletivamente. Gordon e Ayton construíram uma boa parcial e a Espanha teve que exigir mais um momento de resistência e cerrar os dentes. Aldama deu-lhes do triplo, afastando a equipe vulcânica do Caribe. Também em recuperação, tornando-se grande no próprio tabuleiro.

FEVEREIRO/ALBERTO NEVADO

A única coisa que faltava era aparição do outro grande nome do time, Lorenzo Brown. Ele acertou outra cesta frontal de três pontos, justamente quando Scariolo manobrava para trazer o quinteto para a quadra, equilibrando talento e experiência, o que funciona melhor. Aldama, recuperando outro rebote para companheiro, tornou a decisão ainda melhor.

Nem com eles as Bahamas morreram. Ele mudou, numa decisão acertada mas que parecia incrível pelo pouco camaradagem demonstrada ao longo da partida, até uma defesa sufocante em todas as pistas. E Buddy Hield aproveitou no ataque após um minuto de apagão da equipe (79-71, 37'). Um aviso para a Espanha.

Willy tentou desativá-lo. Ele assumiu sob a prancha e após cada golpe das Bahamas (Munnings e Edgecombe), teve uma folga. Um ataque deu ar, e quando Hield não conseguiu colocar os caribenhos a três, tudo mudou. A reação das Bahamas estava desaparecendo.

EFE

O tiro de Hield não entrou, Lúlio e Rudy partiram e o capitão, por vontade do destino, marcou os lances livres com um “Sim, sim, sim, vamos para Paris” gritando nas arquibancadas.. Willy colocou os últimos. Foi o toque final de mais uma jornada de tênis e basquete coletivo que coloca a Espanha nos Jogos Olímpicos.





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo