Notícias

Você ganharia um terceiro polegar? Prótese robótica permite que pessoas abram garrafas e peguem objetos com uma mão


As mãos humanas têm 10 dígitos há milhões de anos.

Mas parece que os cientistas no Universidade de Cambridge não acho que isso seja suficiente.

Os especialistas criaram o “Terceiro Polegar” – uma prótese controlável que se fixa à borda da mão direita.

Ele permite que os usuários peguem objetos, abram garrafas de bebidas, vasculhem cartas de baralho e até descasquem uma banana – tudo com apenas uma mão.

No seu estudo, os voluntários humanos habituaram-se rapidamente ao dígito extra – o que poderia “avançar as nossas capacidades motoras para além das actuais limitações biológicas”.

Pesquisadores de Cambridge mostraram que as pessoas têm pouca dificuldade em aprender muito rapidamente como usar um terceiro polegar – um polegar extra protético e controlável.

Pesquisadores de Cambridge mostraram que as pessoas têm pouca dificuldade em aprender muito rapidamente como usar um terceiro polegar – um polegar extra protético e controlável.

O estudo foi liderado por Tamar Makin, professora de neurociência cognitiva da Universidade de Cambridge, e publicado em Robótica Científica.

O professor Makin e colegas acreditam que o polegar pode ser particularmente valioso para amputados que, por exemplo, perderam um braço e têm dificuldade em realizar tarefas diárias com apenas uma mão.

“A tecnologia está a mudar a nossa própria definição do que significa ser humano”, afirmam no seu artigo.

«As máquinas estão a tornar-se cada vez mais parte da nossa vida quotidiana e até mesmo das nossas mentes e corpos.

'Uma área interessante para a tecnologia futura é o aumento motor, que é projetado para melhorar ou ampliar as capacidades físicas dos humanos.'

O Terceiro Polegar é usado no lado oposto da palma da mão ao polegar real de uma pessoa e controlado por um sensor de pressão colocado sob cada dedão ou pé, que pode caber dentro de um sapato.

A pressão do dedo do pé direito puxa o dedo protético pela mão, enquanto a pressão exercida com o dedo do pé esquerdo o puxa em direção aos dedos e a liberação da pressão o move de volta à sua posição original.

Ele permite que os usuários peguem objetos, abram garrafas de bebidas, vasculhem cartas de baralho e até descasquem uma banana – tudo com apenas uma mão

Ele permite que os usuários peguem objetos, abram garrafas de bebidas, vasculhem cartas de baralho e até descasquem uma banana – tudo com apenas uma mão

O dígito adicional poderia “avançar nossas capacidades motoras além das atuais limitações biológicas”, acreditam os especialistas

O dígito adicional poderia “avançar nossas capacidades motoras além das atuais limitações biológicas”, acreditam os especialistas

Em seu estudo, a equipe testou 596 participantes, com idades entre três e 96 anos, que tiveram até um minuto para se familiarizarem com o dispositivo.

O polegar foi fornecido em tamanhos diferentes para caber nas mãos de crianças e adultos.

Os participantes realizaram duas tarefas – primeiro, pegar pinos e colocá-los em uma cesta e, segundo, manipular e mover cinco ou seis objetos de espuma diferentes, de vários tamanhos.

No geral, o polegar foi usado e controlado com sucesso por 99,3% da amostra, descobriram os pesquisadores.

E 98% dos participantes conseguiram manipular objetos com sucesso usando o terceiro polegar durante o primeiro minuto de uso.

Os adultos mais velhos e os mais jovens apresentaram um nível de habilidade semelhante ao usar o dispositivo, embora uma investigação mais aprofundada apenas na faixa etária dos adultos mais velhos tenha revelado um declínio no desempenho com o aumento da idade.

O Terceiro Polegar foi fornecido em tamanhos diferentes para caber nas mãos de crianças e adultos

O Terceiro Polegar foi fornecido em tamanhos diferentes para caber nas mãos de crianças e adultos

“Este efeito pode ser devido à degradação geral das habilidades sensório-motoras e cognitivas que está associada ao envelhecimento”, afirma a equipe.

“Além disso, estes efeitos também podem refletir uma relação geracional com a tecnologia”.

Não está claro quando ou como os acadêmicos poderiam disponibilizar seu dispositivo ao público, ou quanto custaria.

Mas eles esperam que isso “possa abrir caminho para o estabelecimento de uma referência” para outros dispositivos “inclusivos” centrados no ser humano.

“As futuras tecnologias de aumento poderão ter uma grande influência na sociedade e ser benéficas para muitas pessoas”, escrevem.

Cientistas revelam como os humanos acabaram com cinco dedos

Um estudo identificou dois genes responsáveis ​​pela formação dos raios das barbatanas e dos dedos humanos, o que “estabelece claramente uma ligação molecular” entre eles.

Mas os registos fósseis mostram que os nossos antepassados ​​eram polidáctilos, o que significa que tinham mais de cinco dígitos por mão, o que deixou os especialistas a questionarem-se por que só temos cinco.

Em 2016, os pesquisadores descobriram que esta grande mudança morfológica não ocorrem através da adição de novos genes, mas a partir de uma mutação que ocorreu dentro deles.

Depois que os primeiros hominídeos – que incluem todos os membros do gênero Homo – começaram a andar sobre duas pernas há cerca de seis milhões de anos, a mão desenvolveu um polegar mais longo.

Mas os dedos permaneceram curvados, sugerindo que as árvores continuaram a fazer parte do seu habitat.

Esta “dupla locomoção” – no solo, através das árvores – permaneceu a norma durante mais quatro milhões de anos.

À medida que nossos ancestrais abandonaram seus poleiros arbóreos, seus dedos começaram a se endireitar, abrindo caminho para a criação e uso de ferramentas.

“As mãos foram libertadas da locomoção nas árvores para que pudessem tornar-se estritamente especializadas na manipulação”, disse o investigador Manuel Dominguez-Rodrigo.

'É aqui que a nossa descoberta preenche uma lacuna.'

Consulte Mais informação





Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo