Notícias

Le Pen se prepara para uma grande vitória sobre Macron, enquanto o partido de Scholz também enfrenta a derrota nas eleições da UE na Alemanha, enquanto milhões de pessoas no continente vão às urnas no Super Domingo


Europeus votando Eleições na UE hoje deverão inclinar-se ainda mais para a direita, à medida que AlemanhaPartido líder de França sofre perdas e linha dura francesa Marina Le Pen está pronto para uma vitória massiva Emmanuel Macron.

A eleição, que se realizou em todo o continente nos últimos três dias, é a primeira desde Brexita pandemia e a Rússia invasão da Ucrânia.

Além disso, muitos eleitores foram atingidos pela custo de vidatêm preocupações sobre a migração e o custo da transição verde e estão perturbados por tensões geopolíticas, incluindo a guerra na Ucrânia, e os partidos de extrema-direita e de extrema-direita aproveitaram-se disso e ofereceram ao eleitorado uma alternativa.

Até aqui, França caiu para a direita, com o partido Reunião Nacional de Le Pen, liderado pelo jovem Jordan Bardella, prestes a alcançar o melhor resultado de sempre numa eleição nacional.

Prevê-se que leve para casa 31,5% dos votos da França, enquanto o partido da coligação de Emmanuel Macron registará o segundo resultado eleitoral mais baixo na UE de sempre para um partido no governo em França.

Os colíderes do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), Alice Weidel e Tino Chrupalla, reagem aos resultados após o fechamento das urnas

Os colíderes do partido Alternativa para a Alemanha (AfD), Alice Weidel e Tino Chrupalla, reagem aos resultados após o fechamento das urnas

A principal candidata do Partido Socialista ao Parlamento da UE, Marta Temido, conversa com os jornalistas depois de votar nas Eleições Europeias na Escola

A principal candidata do Partido Socialista ao Parlamento da UE, Marta Temido, conversa com os jornalistas depois de votar nas Eleições Europeias na Escola

Um eleitor procura a sua assembleia de voto durante as eleições para o Parlamento Europeu, em Moralzarzal, Espanha

Um eleitor procura a sua assembleia de voto durante as eleições para o Parlamento Europeu, em Moralzarzal, Espanha

Brigitte Macron e o presidente Emmanuel Macron votando para as eleições para o Parlamento Europeu em uma seção eleitoral em Le Touquet, norte da França

Brigitte Macron e o presidente Emmanuel Macron votando para as eleições para o Parlamento Europeu em uma seção eleitoral em Le Touquet, norte da França

Na Alemanha, o Chanceler Olaf Scholzsociais Partido Democrático (SDU) foi projetado para ficar em terceiro lugar, obtendo apenas 14% dos votos, um mínimo histórico para o partido, de acordo com emissoras alemãs que encomendaram pesquisas de boca de urna.

Entretanto, prevê-se que os partidos de extrema-direita e de extrema-direita na Alemanha assumam a liderança.

Uma aliança conservadora da União Democrata Cristã (CDU) e da União Social Cristã (CSU) levou para casa 29,5% dos votos.

A Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema direita, ficou em segundo lugar, com 16,5% dos votos – um aumento massivo de 5,5% em comparação com as eleições europeias de 2019.

Um resultado semelhante foi observado nas sondagens à boca da Áustria, com o partido de extrema-direita FPOe a liderar a contagem de votos.

Se confirmado, será a primeira vez que o grupo lidera uma votação nacional no país alpino.

O Partido da Liberdade (FPOe) obteve 27 por cento dos votos, à frente do conservador Partido Popular (OeVP), no poder, de acordo com as sondagens divulgadas pelos principais meios de comunicação social do país.

O Parlamento da UE, que será composto por 72 membros após o término das eleições, é composto por facções multipartidárias.

Embora as facções de centro-esquerda e centro-direita tenham dominado largamente o parlamento do bloco desde as suas últimas eleições em 2019, espera-se que estes partidos percam assentos à medida que cada vez mais europeus se voltam para partidos mais extremistas na esperança de que possam resolver os seus problemas com a UE.

Chegam a vice-presidente do Parlamento Europeu e principal candidata às eleições europeias Katarina Barley (C), o co-presidente do Partido Social Democrata (SPD), Lars Klingbeil (L) e a co-presidente do Partido Social Democrata (SPD), Saskia Esken (R). fazer uma declaração durante as eleições europeias

Chegam a vice-presidente do Parlamento Europeu e principal candidata às eleições europeias Katarina Barley (C), o co-presidente do Partido Social Democrata (SPD), Lars Klingbeil (L) e a co-presidente do Partido Social Democrata (SPD), Saskia Esken (R). fazer uma declaração durante as eleições europeias

Uma mulher com um traje folclórico recebe os seus boletins de voto numa assembleia de voto durante o Parlamento Europeu e as eleições locais em Vizslas, no norte da Hungria

Uma mulher com um traje folclórico recebe os seus boletins de voto numa assembleia de voto durante o Parlamento Europeu e as eleições locais em Vizslas, no norte da Hungria

Bandeiras alemãs são retratadas em uma mesa durante a noite eleitoral da extrema direita Alternative Fur Deutschland (AfD)

Bandeiras alemãs são retratadas em uma mesa durante a noite eleitoral da extrema direita Alternative Fur Deutschland (AfD)

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, discursa durante um evento no Parlamento Europeu

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, discursa durante um evento no Parlamento Europeu

Uma projeção do instituto de pesquisas Europe Elects no domingo mostrou que o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, poderia ganhar apenas cinco assentos em comparação com o último parlamento, conquistando um total de 183. Os socialistas, que incluem o partido do chanceler alemão Olaf Scholz, são vistos perdendo quatro assentos para obter 136.

Em contraste, a sondagem indicou que os Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) nacional-conservadores provavelmente obteriam mais cinco deputados, para um total de 73, e o grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID) poderia obter mais oito assentos, para um total de 73. 67.

Mais deputados poderiam juntar-se aos grupos de direita e extrema-direita entre os deputados até agora não afiliados, dos quais seriam 79, segundo a sondagem.

Entretanto, os Verdes Europeus, que enfrentam a reação negativa das famílias, dos agricultores e da indústria, que estão sob grande pressão, devido às dispendiosas políticas da UE que limitam as emissões de CO2, parecem destinados a estar entre os grandes perdedores, com a votação de domingo a dar-lhes apenas 56 deputados, uma perda de 15.

As previsões para o grupo liberal Renovar a Europa também são sombrias, dada a expectativa de que o Rassemblement National, de extrema-direita, de Marine Le Pen, derrote o Renascimento centrista do presidente francês, Emmanuel Macron, em França.

A pesquisa de domingo colocou as perdas do grupo Renew em 13 cadeiras, prevendo que terminará com 89.

O Parlamento Europeu divulgará uma sondagem à boca da UE por volta das 19h30 BST e, em seguida, um primeiro resultado provisório após as 22h00, quando a votação final, em Itália, tiver sido realizada.



Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo