Notícias

Os planos trabalhistas “irrealistas” de emissões líquidas zero correm o risco de mergulhar a Grã-Bretanha na escuridão com “apagões” e “agitação pública”, alerta a secretária conservadora de energia, Claire Coutinho


TrabalhoA missão do Reino Unido de atingir zero emissões líquidas de carbono no fornecimento de energia da Grã-Bretanha até 2030 é “irrealista” e corre o risco de mergulhar o país na escuridãoafirmou o Secretário de Energia.

Claire Coutinho diz Senhor Keir Starmero compromisso do país de acelerar projetos de energia eólica e solar, a fim de reduzir a dependência do país de combustíveis fósseis no prazo de seis anos não teve em conta a disponibilidade da Grã-Bretanha para fazer a mudança.

Ela disse que o plano de atingir emissões líquidas zero de energia – não emitindo mais carbono do que o que está sendo capturado – cinco anos antes do Conservadores foi muito rápido, sem capacidade para enfrentar dias em que “o vento não sopra e o sol não brilha”.

Estão em desenvolvimento tecnologias para capturar o excedente de energia gerado através de energias renováveis, como turbinas eólicas e painéis solares – mas a Sra. Coutinho diz que essa tecnologia não está pronta e sem ela, o Partido Trabalhista corre o risco de desencadear “ampla agitação pública”.

Os trabalhistas prometeram “energia limpa até 2030”, quadruplicando até então a capacidade eólica offshore e impulsionando projetos de energia eólica e solar onshore, bem como obtendo poder nuclear projetos além da linha.

A secretária de energia, Claire Coutinho, afirma que a meta trabalhista de produção de energia líquida zero na Grã-Bretanha até 2030 é irrealista

A secretária de energia, Claire Coutinho, afirma que a meta trabalhista de produção de energia líquida zero na Grã-Bretanha até 2030 é irrealista

O líder trabalhista, Sir Keir Starmer (foto na sexta-feira), admitiu que a meta de energia líquida zero até 2030 - cinco anos antes dos conservadores - é 'difícil'

O líder trabalhista, Sir Keir Starmer (foto na sexta-feira), admitiu que a meta de energia líquida zero até 2030 – cinco anos antes dos conservadores – é 'difícil'

As necessidades energéticas da Grã-Bretanha ainda são largamente satisfeitas com recurso a combustíveis fósseis, com a energia solar a contribuir para 4,9 por cento da nossa produção de electricidade (foto: um parque solar no sudeste de Inglaterra)

As necessidades energéticas da Grã-Bretanha ainda são largamente satisfeitas com recurso a combustíveis fósseis, com a energia solar a contribuir para 4,9 por cento da nossa produção de electricidade (foto: um parque solar no sudeste de Inglaterra)

Sir Keir admitiu que o objectivo é “difícil”, mas afirma que é “factível”.

Também prometeu suspender a emissão de novas licenças para exploração e perfuração no Mar do Norte para reduzir a dependência do país do petróleo.

Mas a sua promessa surge depois de o governo escocês ter abandonado o seu objectivo de reduzir as emissões de carbono da Escócia em 75 por cento até 2030 depois que o órgão de vigilância climática do Reino Unido, o Comitê de Mudanças Climáticas (CCC), alertou que isso não poderia ser feito.

Quanto da eletricidade da Grã-Bretanha é gerada por energias renováveis?

Em 2023, as fontes de energia com zero carbono representaram 51% de toda a eletricidade utilizada na Grã-Bretanha.

A National Grid dividiu algumas das fontes de energia do ano passado conforme abaixo:

  • Carvão: um por cento
  • Gás: 32 por cento
  • Biomassa: 5 por cento
  • Vento: 29,4 por cento
  • Nuclear: 14,2 por cento
  • Solar: 4,9 por cento
  • Hidro: 1,8 por cento

A meta abandonada do SNP acabou custando o cargo do primeiro-ministro Humza Yousaf depois que a coalizão do partido com os Verdes escoceses desmoronou.

Coutinho disse que a abordagem “ideológica” e obstinada de Sir Keir para a meta de 2030 teria um resultado igualmente sombrio.

Ela disse O telégrafo: 'Eles (Trabalhistas) fingem que podem descarbonizar a rede até 2030 – uma meta que nenhuma outra grande economia tem.

'E se conseguissem isso, seria através de custos enormes, ou haveria o risco de apagões neste país.'

Ela acrescentou: ‘Daqui para frente, teremos coisas como baterias e outras tecnologias, mas elas ainda não estão prontas.

'Portanto, a minha preocupação é que não temos as coisas certas para garantir que podemos manter as luzes acesas na Grã-Bretanha.'

A intenção dos trabalhistas alinha-se com os objectivos estabelecidos pelo CCC, que pressiona por objectivos líquidos zero mais radicais do que os definidos pelos ministros.

Mas Coutinho disse que o plano era mais “ideológico” do que prático.

Ela também afirmou que as energias renováveis ​​não garantiriam um fornecimento de energia consistente, tornando o Reino Unido potencialmente dependente de importações dispendiosas de energia de outros países onde têm um excedente de electricidade renovável.

O Reino Unido também conseguiu exportar energia nos últimos anos, num contexto de queda no consumo de energia. Mas grande parte da eletricidade do Reino Unido, cerca de 40 por cento, ainda é gerada com recurso a combustíveis fósseis em 2022.

Os conservadores dizem que terão como objetivo a geração líquida zero de energia até 2035, em vez de 2030.

O Telegraph relata que o CCC – o órgão oficial de vigilância climática – será forçado a ter em conta a segurança energética e os custos para as famílias ao aconselhar os ministros sobre as emissões de carbono.

Rishi Sunak está enfrentando uma eleição difícil com os Conservadores perdendo nas pesquisas para o Trabalhista - e enfrentando desafios da Reforma do Reino Unido de Nigel Farage

Rishi Sunak está enfrentando uma eleição difícil com os Conservadores perdendo nas pesquisas para o Trabalhista – e enfrentando desafios da Reforma do Reino Unido de Nigel Farage

Outros países fora do Reino Unido revisitaram os seus planos de zero emissões líquidas nos últimos anos.

A Nova Zelândia, que tinha uma moratória sobre a perfuração de petróleo e gás, revogou desde então a sua proibição devido ao receio de apagões.

A política de exploração foi reintroduzida pelo governo nacional de centro-direita eleito no ano passado.

Os comentários de Coutinho ocorrem no momento em que os conservadores continuam a cair nas pesquisas, enquanto Rishi Sunak tenta rechaçar a ira contínua por sua decisão de deixar mais cedo uma cerimônia de comemoração do Dia D para filmar uma entrevista na TV.

O senhor Sunak pediu desculpas – mas continuou, no entanto, a invocar a ira dos veteranos do Dia D e de alguns de seu próprio partido, incluindo Penny Mordaunt, que classificou sua decisão de sair mais cedo de 'muito errada''.

Para além da sua luta contra o Partido Trabalhista, o Partido Conservador também está a rechaçar a ameaça do Reform UK – liderado pelo recém-retornado líder Nigel Farage, que estará no assento de Clacton em Essex.

O trabalho foi contatado para comentar.



Source link

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo